sexta-feira , novembro 16 2018
Início / GESTÃO / Automação das operações de comércio exterior gera dúvidas e opiniões adversas

Automação das operações de comércio exterior gera dúvidas e opiniões adversas

Mudanças sistêmicas, documentais e operacionais nos processos de exportação, importação e trânsito aduaneiro têm sido realizadas com frequência. Porém, grande parte das empresas não estão aptas para atender às demandas de burocracia e controle dos processos, resultando em um alto índice de erros, multas e atrasos.

Desde 2 de julho deste ano, exportadores de todo o Brasil tiveram que migrar completamente suas operações para o Novo Processo de Exportações do Portal Único de Comércio Exterior e se atentar às datas de desligamento dos sistemas. A decisão, tomada pela Comissão Gestora do Sistema Integrado de Comércio Exterior (Siscomex), foi fundamentada em prol da facilitação do comércio.

“Essas mudanças de sistemas visam agilizar o processo aduaneiro com dados estatísticos e empenho do país nessa questão da burocratização. Há um esforço do Governo neste sentido, mas temos o processo de adaptação. Infelizmente, grande parte do empresariado brasileiro tem o costume de postergar ou tentar ‘burlar’ sistemas e regras. Com isso, a automação dos procedimentos se torna mais trabalhosa, necessitando uma ação para precaver e revisar tudo”, afirma Marcia Hashimoto, diretora executiva da Infolabor – empresa especializada em consultoria empresarial, comércio exterior e SISCOSERV.

De acordo com o Ministério da Fazenda, o novo procedimento de exportação, baseado na Declaração Única de Exportação (DUE), já vem promovendo uma profunda simplificação e racionalização dos procedimentos, por meio da integração com a nota fiscal eletrônica e o paralelismo entre as atividades de licenciamento e de despacho. O novo processo, que inicialmente restringia-se a operações com atuação exclusiva da Receita Federal, tem sido gradualmente incrementado para abranger uma maior variedade de tipos de ações. As operações realizadas por DUE, até o momento, apresentaram o tempo médio de 6 dias, entre o registro da declaração e o embarque da mercadoria, ante os 13 dias do antigo processo, trazendo ganhos expressivos de tempo e de redução de custos para os exportadores brasileiros.

Recentemente, a FIESP (Federação das Indústrias do Estado de São Paulo), realizou um seminário para abordar o tema com profissionais do segmento. Durante o evento, foi ressaltado que a utilização do Portal Único para processos de importação já aponta um aumento de 40% nas liberações de mercadoria e uma redução de aproximadamente US$ 23 milhões, o equivalente à construção de 17 portos no Brasil. O patamar idealizado para o Brasil se baseia na alfândega estadunidense, onde o contêiner atraca, é inspecionado e já direcionado à entrega no destino sem parada.

Foi levantada a discussão de tarifas sob negociação de acordos comerciais, especialmente a redução do I.I. (Imposto de Importação). A criação do Certificado de Origem Digital, documento eletrônico de rápida emissão que facilita as negociações de exportações brasileira para Argentina, Chile, Uruguai e Colômbia, também foi mencionada durante o seminário.

Próximas datas para desligamento dos sistemas de exportação:

  • 02/07/2018: Desativação total dos códigos de enquadramento de operações de exportação do sistema NOVOEX.
  • Setembro/2018: Desligamento dos sistemas “Siscomex Exportação Web” e “Siscomex Exportação grande porte” para o registro de todas as declarações de exportação, as quais deverão ser registradas exclusivamente por meio da DUE (Declaração Única de Exportação).

Próximo Post

Receita confirma dispensa de autenticação de livros contábeis para empresas que utilizam o SPED

Pelo decreto publicado, no Diário Oficial da União (DOU) em 7 de novembro, a autenticação …