terça-feira , janeiro 22 2019
Início / PONTO DE VISTA / Cadastro no eSocial acaba em dezembro para empresas de médio porte

Cadastro no eSocial acaba em dezembro para empresas de médio porte

As empresas de médio porte que não optaram pelo Simples Nacional, com faturamento entre R$ 4,8 milhões e R$ 78 milhões, têm até o final de dezembro para regularizar o cadastro de seus trabalhadores no eSocial. O processo teve início em julho de 2018 e deve terminar com a inserção dos dados de 70% dos empregados do país, conforme estimativas do governo federal.

De acordo com Marilda Silva, coordenadora da equipe trabalhista do escritório Rücker Curi Advocacia, as empresas precisam dar a devida atenção ao processo. “Não existe penalidade no descumprimento do prazo. No entanto, ao não alimentar o banco de dados, o empregador deixa de cumprir, pelo menos, 15 obrigações trabalhistas e fiscais, que podem render altas multas em caso de fiscalização”, explica.

Esta é a fase definida para as empresas do 2º grupo na implantação do Sistema de Escrituração Digital das Obrigações Fiscais, Previdenciárias e Trabalhistas, instituído pelo Decreto nº 8373/2014. A partir do início de 2019, essas empresas incluirão dados relativos às suas folhas de pagamento, os chamados eventos periódicos.

O sistema eletrônico e unificado desburocratiza o processo de envio de informações ao governo. Entre elas estão vínculos, comunicações de acidente de trabalho, contribuições previdenciárias, aviso prévio, informações sobre o FGTS e escriturações fiscais.

Maior segurança jurídica para empregado e empregador

Com um ambiente virtual unificado e registro vinculado ao CPF do trabalhador, problemas como perdas de documentação, descumprimento de prazos e impasses entre empresa e empregados tendem a desaparecer.

“Há documentos na área trabalhista que precisam ser guardados por até 30 anos. É uma responsabilidade muito grande. Com o eSocial é possível armazená-los digitalmente e com segurança junto ao poder público. Isso também diminui a chance de erro quanto à apresentação dos dados”, comenta a advogada empresarial.

O próprio trabalhador terá acesso às informações inseridas pelas organizações. Logo, não haverá mais a necessidade de recorrer ao empregador em busca de documentações que contribuam para a aposentadoria, por exemplo.

O eSocial também contempla as alterações previstas na reforma trabalhista. “Desde o início de 2018, os empregadores estão se adequando ao sistema e é preciso lembrar das novas regras da reforma. Por isso, é recomendável contar com uma consultoria jurídica para estar em conformidade com a lei”, ressalta Marilda.

As empresas de grande porte já realizaram o cadastro no primeiro semestre de 2018. Conforme calendário do governo federal, as pequenas e microempresas, além dos microempreendedores individuais (MEI), passarão pelo mesmo processo em 2019. Em 2020, será a vez dos órgãos públicos.

Próximo Post

Imposto de Renda: confira com antecedência o que não pode faltar na sua declaração

* Por Sérgio Tavares, Diretor da STavares Consultoria Financeira, com MBA em Gestão Econômica e …