domingo , novembro 19 2017
Início / PME / Demanda por crédito de MPE atinge o menor patamar em 14 meses

Demanda por crédito de MPE atinge o menor patamar em 14 meses

faturamentoCom a economia ainda em dificuldades para ensaiar uma recuperação consistente, a procura dos micro e pequenos empresários (MPE) por crédito continua em baixa. O Indicador de Demanda por Crédito das Micro e Pequenas Empresas apurado pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) atingiu o menor patamar em 14 meses, retrocedendo de 16,36 pontos em maio de 2015 para 9,51 pontos no último mês de junho. Na comparação com maio deste ano, quando o indicador estava em 13,44 pontos, também houve queda. Quanto mais próximo de 100, maior é a probabilidade de os empresários procurarem crédito e quanto mais próximo de zero, menos propensos eles estão para tomar recursos emprestados para os seus negócios.

Para o presidente da CNDL, Honório Pinheiro, alguns indicadores macroeconômicos já dão mostras de que a pior fase da crise pode ter ficado para trás, mas a plena recuperação das condições econômicas e sociais ainda será lenta e gradual. “Depois de mais de um ano de muitas incertezas, o Brasil levará tempo para restaurar a confiança perdida e retomar a trajetória do crescimento.  Por isso que muitos empresários ainda vão demorar a se sentir confiantes o suficiente para tomar crédito, fazer investimentos e comprometer o orçamento da sua empresa com dívidas à espera de um retorno no futuro”, explica Pinheiro.

89% não pretendem tomar crédito nos próximos 90 dias

De acordo com o levantamento, apenas 5,38% dos micro e pequenos empresários possuem a intenção de contrair crédito para seus negócios no horizonte de 90 dias. Em sentido inverso, 89,0% declararam não ter essa intenção. Quando indagados sobre a negativa, 45,6% disseram que conseguem manter suas empresas com recursos próprios, sendo desnecessário buscar outras fontes. As altas taxas de juros também são fator de impedimento, mencionadas por 12,5% dos que não pretendem tomar crédito.

Para os que avaliam estar difícil tomar crédito no mercado (29,1%), as taxas consideradas elevadas são o fator mais citado (40,8%). Em seguida, aparece o excesso de burocracia (30,9%) e a exigência de um faturamento mínimo acima do que a empresa realmente fatura (13,3%). Já para os que consideram ser fácil contratar crédito (21,7%), o bom relacionamento com o banco é a principal razão da facilidade, citado por 39,1%. Estar com a documentação em dia (17,2%) e não dever para bancos também são fatores que ajudam (15,5%) completam a lista.

Para mais de um terço (33,9%) dos entrevistados, a modalidade de crédito mais difícil de ser contratada é o empréstimo em instituições financeiras. Os financiamentos nessas instituições são citados por 16,1%. O crédito junto a fornecedores foi citado por 12,8%. “A combinação de burocracia e juros altos são um obstáculo à contratação de crédito e consequentemente para o investimento, o que acaba por impactar o crescimento potencial do país”, afirma a economista-chefe do SPC Brasil, Marcela Kawauti.

Demanda por investimento cai de 25,98 para 21,37 pontos em um ano

O micro e pequeno empresariado brasileiro também tem se mostrado pouco interessado em realizar investimentos em seus negócios. O indicador de propensão a investir registrou somente 21,37 pontos em junho. No mesmo mês do ano passado ele estava em 25,98 pontos e em maio deste ano, em 25,22 pontos na escala que varia de zero a 100, sendo que quanto mais próximo de 100, mais o empresário tende a realizar investimentos.

Em termos percentuais, 75,0% dos micro e pequenos empresários não pretendem investir nos próximos três meses, sendo a principal razão a desconfiança diante da crise (47,7%). Outros 33,3% dizem não ver necessidade de investir e 11,8% afirmam que fez investimentos recentes e estão aguardando o retorno. “A recessão e o aumento do custo do capital tornam os empresários mais cautelosos diante da possibilidade de expandir seus negócios e de assumir dívidas para fazer frente a investimentos”, explica a economista Marcela Kawauti.

Entre a parcela minoritária de empresários que pretendem investir nos próximos 90 dias (17,0%), os investimentos prioritários serão ampliação de estoque (25,7%), investimentos em comunicação e propaganda (25,0%), reforma da empresa (24,35) e compra de equipamentos (24,3%). A principal fonte de recursos para o investimento é o capital próprio (73,5%).

Metodologia

Os Indicadores de Demanda por Crédito e de Propensão para investimentos do Micro e Pequeno Empresário calculados pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) levam em consideração 800 empreendimentos com até 49 funcionários, nas 27 unidades da federação, incluindo capitais e interior. As micro e pequenas empresas representam 39% e 35% do universo de empresas brasileiras nos segmentos de comércio e serviços, respectivamente.

Próximo Post

Lideranças empresariais discutem modernização do Simples

Em um debate promovido pelo jornal Correio Braziliense, lideranças empresariais que concluíram: a recuperação da …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *