sexta-feira , dezembro 15 2017
Início / PONTO DE VISTA / Fornecendo para empresas mais sustentáveis

Fornecendo para empresas mais sustentáveis

Como bons empreendedores estamos todos os dias analisando sempre quais as oportunidades que temos para faturar mais, ampliar o nosso negócio e estar à frente da concorrência. Geralmente acabamos fazendo milhares de ações que gastam a nossa energia e, principalmente, o tempo precioso nesta corrida dos negócios.

Uma das oportunidades para aqueles que acreditam no movimento da sustentabilidade é se tornar fornecedor de uma grande empresa que se diz mais sustentável. Será que é possível?

Sim, pois cada dia mais as grandes empresas, principalmente as multinacionais, estão trabalhando não só o tema do desenvolvimento sustentável dentro dos seus produtos, serviços e processos, mas também na sua cadeia de valor. O que isso significa? Que estas empresas já começam a olhar para fora dos seus muros e incluem os seus fornecedores, os fornecedores dos fornecedores, seus distribuidores, os pontos de vendas e os parceiros dentro do seu plano de sustentabilidade corporativo.

Inicialmente, estas empresas começam pela seleção de seus fornecedores, exigindo excelência na qualidade necessária às matérias-primas, além das condutas éticas esperadas dos seus fornecedores em relação a temas como meio ambiente e discriminação, entre outros. Empresas como a Nestlé, Philips, L’Oréal, Diageo, além de outras, fazem auditorias nos seus principais fornecedores para garantir a conduta ética e responsável além muros da sua empresa. Neste processo, muitas empresas capacitam os seus fornecedores nestas questões fundamentais para a manutenção da vida no planeta.

A Anglo American, mineradora com grande atuação no país, por exemplo, possui o Código de Desenvolvimento Sustentável do Fornecedor, que contempla temas como: segurança e saúde ocupacional, emprego e condições de trabalho, cidadania corporativa, gerenciamento ambiental, integridade empresarial e ética, entre outros. Nestes vários indicadores a empresa faz com que o fornecedor reflita e busque melhorias nos temas do Código.

Lógico que todo este processo também faz parte da tarefa de minimização de riscos que as empresas adotam para que não apareçam na mídia de forma equivocada, ou seja, ter visibilidade na imprensa com fornecedores que estão utilizando mão de obra análoga a escravo, como foi o caso de várias grandes varejistas de roupas feitas por cidadãos bolivianos tratados como escravos por fornecedores do bairro do Brás, São Paulo. Ou ainda ter destaque na imprensa com mão de obra infantil, como uma empresa química cujos “quarteirizados” estavam utilizando crianças para extraírem talco para os seus produtos químicos.

Mas é fácil para o empreendedor entrar nesta lista de fornecedores mais sustentáveis?

Como tudo na vida, o processo deve ser feito passo a passo. Primeiramente é necessário que ele realmente acredite neste movimento e que não seja só um entusiasta, mas sim que o tema faça parte do seu modelo de negócio. Que invista tempo e inteligência nesta empreitada.

Um outro ponto importante, se você se considera um empreendedor ético e responsável, acredita que os seus valores e o seu código de ética funciona no dia a  dia com os funcionários e com os outro stakeholders, só falta então transformar estas atitudes do dia a dia em um documento escrito, oficial, divulgado e treinado. As empresas mais sustentáveis darão mais crédito para o seu empreendimento.

Certificações como a ISO 14001, OHSAS 18.001, ISO 26.000, ISO 9.001, entre outros podem ajudar a dar credibilidade à sua organização, principalmente se você já tem atitudes que ajudam diariamente. Outra ação é se cadastrar nos prêmios das categorias socioambientais para que o empreendimento ganhe algumas menções de referência no mercado.

Enfim, coloque o foco naquilo que você acredita e que, de forma planejada, está sendo inserido na estratégia de negócios e vendas. A sustentabilidade é um mundo de oportunidades!

*Marcus Nakagawa é sócio-diretor da iSetor; professor da ESPM; idealizador e presidente do conselho deliberativo da Abraps; e palestrante sobre sustentabilidade e estilo de vida: www.marcusnakagawa.com

Próximo Post

As empresas brasileiras e os erros financeiros

*Por Henrique Tarasiuk Uma unanimidade entre os brasileiros diz respeito a dificuldade de empreender no …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *