quarta-feira , janeiro 17 2018
Início / PME / Veto aos Refis das MPEs pode eliminar até 1,5 milhão de postos de trabalho, segundo entidade contábil

Veto aos Refis das MPEs pode eliminar até 1,5 milhão de postos de trabalho, segundo entidade contábil

A Fenacon (Federação Nacional das Empresas Contábeis e das Empresas de Assessoramento, Perícias, Informações e Pesquisas) estima o fechamento de até 1,5 milhão de postos de trabalho em todo o País em consequência do veto total ao projeto de lei complementar que criaria o Refis para as MPEs (Micros e Pequenas Empresas).

Atualmente, mais de 500 mil empresas de pequeno porte devem cerca de R$ 20 bilhões à União e contavam com o Refis para poderem se regularizar e se manterem no Simples Nacional.

Segundo a Fenacon, sem a possibilidade de parcelar débitos com descontos de multas e juros, essas empresas correm o risco até de encerrar as atividades.

A justificativa do governo para vetar o projeto é que a medida fere a Lei de Responsabilidade Fiscal ao não prever a origem dos recursos que cobririam os descontos aplicados a multas e juros com o parcelamento das dívidas. O governo prometeu nova medida com a possibilidade de parcelamento, mas sem data para isso acontecer.

Para o diretor político-parlamentar da Fenacon, Valdir Pietrobon, a ação do governo é lamentável: “Se levarmos em consideração que cada MPE emprega, em média, três funcionários formais e que mais de 500 mil empresas podem fechar as portas, chegamos ao triste número de 1,5 milhão de novos desempregados. Ou seja, seria uma verdadeira catástrofe para a economia, que lentamente dá sinais de recuperação, e também para a questão social do País”, enfatiza.

O diretor da Fenacon orienta que as empresas contábeis incentivem seus clientes a renegociar os débitos mesmo sem descontos para evitar a exclusão do Simples Nacional. “Esperamos que a derrubada desse veto seja realizada o mais rápido possível. O País, a sobrevivência das micro e das pequenas empresas e o emprego de milhões de brasileiros dependem disso”, alerta.

Para o vice-presidente do CRC-RJ (Conselho Regional de Contabilidade do Rio de Janeiro), Samir Nehme, “é um absurdo que o governo conceda uma anistia parcial de multas e juros para as grandes empresas e não o faça em relação às MPEs, que mais geram empregos no Brasil e correm risco de fechar as portas”.

Ele destaca, ainda, que a derrubada do veto por parte do Congresso Nacional precisa acontecer logo, já que até o fim de janeiro as empresas precisam estar adimplentes para dar entrada no Simples Nacional.

Fonte: Fenacon

Próximo Post

O Comitê Gestor vai cancelar MEI inadimplente

O Comitê Gestor do Simples Nacional (CGSIM), órgão vinculado à Secretaria Especial da Micro e …